“Anos mais tarde, tentaria lembrar-se de Como Tudo Começou. E não conseguia. Não conseguiria, claramente. Voltavam sempre cenas confusas na memória. Misturavam-se, sem cronologia, sem que ele conseguisse determinar o que teria vindo antes ou depois daquele momento em que, tão perdidamente, apaixonou-se…”

.Caio Fernando Abreu

[…] Ela deixou que a mão dele descesse até abaixo da cintura dela. E numa batida mais forte da percussão, num rodopio, girando juntos, ela pediu:

– Deixa eu cuidar de você.

Ele disse:

– Deixo.

.Caio Fernando Abreu  – “Os Dragões não Conhecem o paraíso”